Restauro de Vitrais na Concatedral de Miranda | Diocese Bragança-Miranda

Estão a decorrer os trabalhos de conservação e restauro de seis vitrais da Concatedral de Miranda do Douro. São vitrais do tipo vidraça, datados de meados do século XX, montados em estruturas de calhas de chumbo e vidros incolores pintados.

O conjunto encontrava-se em muito mau estado de conservação, em colapso estrutural, com iminência de desprendimentos de vários painéis. Os trabalhos em curso visam a preservação física do referido conjunto, preconizando-se, por isso, uma intervenção de conservação e restauro que passa pelo desmonte integral de todos os vitrais para tratamento em oficina.

A intervenção foi adjudicada pela Direção Regional de Cultura do Norte à empresa Clarisse Duarte da Silva, pelo valor de total 27.772,00 €, com um prazo de execução de 180 dias.

Sobre a Concatedral de Miranda do Douro

Elevada a antiga vila de Miranda à categoria de cidade e de sede de diocese em 1545, o projeto da Catedral apareceu em 1549, e as obras iniciaram-se em 1552 sob a direção de Gonçalo de Torralva e Miguel de Arruda. O projeto insere-se na tipologia de Sés mandadas construir por D. João III, com uma fachada harmónica – em que um corpo central é ladeado por duas poderosas torres -, e um interior em três naves abobadadas à maneira gótica, com cruzaria de ogivas de nervuras visíveis.

O retábulo-mor é já uma obra seiscentista, terminada em 1614, e deve-se ao trabalho de Gregório Fernández, mestre galego radicado em Valladolid e responsável por uma oficina bastante ativa durante o período maneirista. Igualmente digno de nota é o retábulo de Nosso Senhor da Piedade, em talha barroca de boa qualidade, e o órgão do século XVIII, de igual modo profusamente decorado com talha dourada.

A história da cidade foi bastante atribulada, pela sua condição de fronteira. Em 1710, por exemplo, caiu em poder espanhol e novamente em 1762. Terá sido esta ocupação estrangeira o motivo principal para a mudança do bispo para Bragança, cidade menos exposta a ameaças externas. Esta posição do titular da diocese e respetivo cabido deu início à decadência de Miranda enquanto sede episcopal.

Texto/fotografias: Felicidade Ramos/Direção Regional de Cultura do Norte