"O envio missionário nos sacramentos do serviço e da comunhão" | Diocese Bragança-Miranda

Apresentamos a síntese da conferência que o Sr. D. José Manuel Garcia Cordeiro, Presidente da Comissão Episcopal de Liturgia e Espiritualidade, e Bispo da Diocese de Bragança-Miranda, proferiu no passado dia 24.07.2019, no âmbito do 45.º Encontro Nacional de Pastoral Litúrgica que teve lugar em Fátima.

«O ENVIO MISSIONÁRIO NOS SACRAMENTOS DO SERVIÇO E DA COMUNHÃO»

Introdução

Os sacramentos da Ordem e do Matrimónio são decisivos para a salvação dos outros, contribuindo igualmente para a salvação pessoal. No entanto, estes dois sacramentos conferem uma missão particular na Igreja, ao serviço da edificação e da comunhão do povo de Deus (cf. Catecismo da Igreja Católica 1534).

1. A Ordem

A celebração da ordenação decorre durante a celebração da Eucaristia, depois da liturgia da Palavra e antes da liturgia eucarística. A estrutura geral é a mesma para as três ordens (Bispo, Presbíteros e Diáconos) e consta de três partes: a) os ritos de introdução e preparação, b) a imposição das mãos e oração de ordenação, c) os ritos explicativos.

1.1. O Bispo

«Enviai agora sobre este eleito a força que de Vós procede, o Espírito soberano, que destes ao Vosso amado Filho Jesus Cristo,

e Ele transmitiu aos santos Apóstolos, que fundaram a Igreja por toda a parte, como Vosso templo, para glória e perene louvor do Vosso Nome» (Oração de Ordenação do Bispo).

«Recebe o Evangelho, e anuncia a palavra de Deus com toda a paciência e doutrina».

O Bispo é, sobretudo, um servidor do Evangelho da Espe- rança, pela palavra, pelo testemunho de vida, pelos sacramen- tos, pelo governo pastoral, que conduzirá a todos à unidade da caridade.

1.2. Os Presbíteros

«... renovai em seus corações o Espírito de santidade; obte- nham ó Deus, o segundo grau da Ordem sacerdotal que de Vós procede, e a sua vida seja exemplo para todos» (Oração de Orde- nação dos Presbíteros).

O Presbítero é servidor do mistério no seu ministério: «toma consciência do que deves fazer; imita o que hás-de realizar e conforma actua vida com o mistério da cruz do Senhor».

1.3. Os Diáconos

«Enviai sobre eles, Senhor, nós Vos pedimos, o Espírito Santo, que os fortaleça com os sete dons da vossa graça, a fim de exerce- rem com fidelidade o seu ministério» (Oração de Ordenação dos Diáconos).

«Recebe o Evangelho de Cristo, que tens missão de procla- mar. Crê o que lês, ensina o que crês e vive o que ensinas».

 

2. O Matrimónio

O Matrimónio surge como um grande “mysterion, misté- rio” ou “sacramentum” em relação à união de Cristo com a Igreja: «Por isso, o homem deixará pai e mãe, ligar-se-á à sua mulher e os dois passarão a ser uma só carne. É grande este misté- rio; digo-o em relação a Cristo e à Igreja» (Ef 5, 31-32). Por isso, com a celebração do Matrimónio os esposos participam da aliança esponsal de Cristo com a Igreja.

 

A celebração do Matrimónio

  • diálogo antes do consentimento sobre a unidade, a liberdade, a fidelidade e a procriação dos filhos;
  • o consentimento e a aceitação pelo assistente;
  • a bênção e entrega das alianças;
  • a oração dos fiéis.

Um lugar importante na liturgia do Matrimónio é confe- rido à bênção dos esposos, a seguir à recitação do Pai-Nosso e antes da comunhão.

Na verdade, «o matrimónio é, por assim dizer, a gramá- tica com a qual se exprimem o amor e a fidelidade a Deus» (W. Kasper).

 

Conclusão

A relação íntima entre os Sacramentos e a Evangelização é dimensão decisiva do Evangelho celebrado e vivido, que é a própria Liturgia da Igreja. A Palavra e o sacramento tornam-se catequese permanente em dinamismo catecumenal, porque «evangelizar não é para quem quer que seja um acto individual e isolado, mas profundamente eclesial. (...) cada um evangeliza em nome da Igreja, o que ela mesma faz em virtude de um mandato do Senhor...» (S. Paulo VI).

Como nos recorda o Papa Francisco: «Assim, a nossa missão radica-se na paternidade de Deus e na maternidade da Igreja, porque é inerente ao Baptismo o envio expresso por Jesus no mandato pascal: como o Pai Me enviou, também Eu vos envio a vós, cheios de Espírito Santo para a reconciliação do mundo (cf. Jo 20, 19-23; Mt 28, 16-20)» (Mensagem para o Dia Mundial das Missões 2019).

A ordem dos sacramentos segue a analogia das fases e momentos importantes da vida do cristão (S. Tomás): o nasci- mento e o crescimento, a cura e a missão à vida de fé dos cris- tãos. A Liturgia reza ao Pai na epiclese ou invocação do Espírito Santo, presente em todos os sacramentos, para que os torne eficazes, segundo a Palavra de Cristo que se realiza da própria liturgia. Efectivamente, «é Cristo que baptiza, que administra a unção do Espírito, que dá o próprio Corpo e o próprio Sangue; é Cristo que perdoa e cura; é Cristo que ordena nos vários ministé- rios e que consagra a união do Matrimónio» (M. Thurian).

A Igreja não evangeliza se não se evangeliza a si mesma. Sem Liturgia não há Missão.

----------------------------------------

Fotografia: Irene Rodrigues/SDCS.

Ficheiros: