«Natal – Dom da Luz da Esperança» | Diocese Bragança-Miranda

Catedral de Bragança, Missa da noite

24 de dezembro de 2018

 

1. Ver a glória

A narrativa do nascimento de Jesus, conta que o Anjo do Senhor se aproximou dos pastores «e a glória do Senhor envolveu-os de luz» (Lc 2,9). Esta visão da glória continua a trazer uma enorme alegria a toda a humanidade. Por isso, a Igreja canta com tamanha solenidade com o coro dos Anjos: «Glória a Deus nas alturas e paz na terra entre os homens de boa vontade» (Lc 2,14).

O Natal é o próprio Jesus Cristo e a Palavra da salvação, isto é, «a luz verdadeira, que ilumina todo o homem que vem ao mundo» (Jo 1,9).

 

2. Noite silenciosa de Luz

Há 200 anos, um Padre na Áustria, Joseph Mohr, compôs um hino que se tornou famoso em todo o mundo. “Stille Nacht, Heilige Nacht” em alemão, “Noite Feliz” em português, “Silent Night” em inglês. Este canto de Natal foi criado por casualidade, quando se estragou o fole do órgão da igreja, e em 2011 foi declarada património cultural imaterial da humanidade.

A segunda estrofe, canta assim: Noite feliz, noite feliz!
Ó Jesus, Deus da luz,
Quão amável é teu Coração,
Que quisestes nascer nosso irmão, E a nós todos salvar.

            No ruído de muitos festejos de Natal, faz bem sentir os apelos desta noite silenciosa de luz e de paz.

            Na verdade, «muitos dos cânticos litúrgicos também constituem belas orações. (...) «O silêncio é em si uma plenitude» (Romano Guardini).

 

3. Dom da Luz e da Esperança

Nestes dias natalícios recebemos muitas mensagens em forma de postais, de cartas, de textos digitais e de mil maneiras audiovisuais. De facto, as pessoas trocam entre si os mais elevados valores humanos: ternura, carinho, paz, amor, alegria, esperança.... Mas quantos sabem e vivem estes valores referenciados a Jesus Cristo?! Alguns têm medo, outros têm vergonha, outros não sabem ou não querem. “Todos, tudo e sempre em missão”, somos chamados a proclamar e a testemunhar que o Natal é Jesus Cristo.

Jesus Cristo é o autêntico Dom da Esperança e o grande mistério da Luz, que o Pai nos dá pelo Espírito Santo. Por isso, o Natal é o próprio Dom de Deus, a Luz que nasce da Luz, como cantamos na Liturgia do dia da celebração anual do nascimento de Jesus: «Santo é o dia que nos trouxe a luz. Vinde adorar o Senhor. Hoje, uma grande luz desceu sobre a terra».

«Por isso, é necessário abrir o nosso coração à verdadeira luz: Jesus Cristo. Ele é a luz que pode iluminar a vida e transformar as nossas trevas em luz; a luz do bem que vence o mal; a luz do amor que supera o ódio; a luz da vida que vence a morte; a luz divina que transforma tudo e todos em luz; a luz do nosso Deus: pobre e rico, misericordioso e justo, presente e escondido, pequeno e grande» (Papa Francisco, 21.12.18).

Que a Luz da Esperança ilumine as famílias, os jovens, os doentes, os pobres, os reclusos, os que vivem sós, as pessoas com deficiência, os migrantes e as minorias étnicas nos caminhos da justiça e da paz. A Luz ilumine ainda nos países onde a liberdade religiosa não é respeitada, para que a fé seja testemunhada em liberdade e paz.

Prossigamos discípulos missionários em comunhão, fazendo o Bem, bem feito, uns aos outros e uns com os outros.

 

+ José, Bispo de Bragança-Miranda

 

----------------------------

Fotografia: Bruno Luís Rodrigues/Secretariado Diocesano das Comunicações Sociais.