Homilia da Missa da Noite de Natal | «Mistério mais luminoso que o sol» | Diocese Bragança-Miranda

«Mistério mais luminoso que o sol»

Catedral, 24.12.2020

 

1. Ao encontro da Luz das luzes

O essencial para um Natal mais autêntico pode ser iluminado pelo singular olhar de uma Monja Beneditina contemporânea: «Perco-me na profundidade do grande mistério: mistério luminoso na noite; mistério do eterno no tempo; mistério do espírito na carne; mistério do Tudo no nada» (A. M. Cànopi).
Sim, a busca e o acolhimento do Mistério desafiam-nos, com efeito, a reinventar a Esperança na crise da emergência covid-19! Deus abençoe todos os agentes pastorais e sociais no bem cuidar integral das famílias, das ipss’s, das escolas, dos hospitais, das prisões e em todos os lugares e serviços para uma nova humanidade.
Nesta noite santa costumava jantar com alguns estudantes internacionais do IPB e com outras pessoas da nossa cidade que vivem sós. No tempo do Natal também visitava os dois estabelecimentos prisionais de Bragança e de Izeda, bem como os hospitais e algumas ipss’s. Desta vez, por força maior, o encontro acontece no silêncio da oração e na proximidade da caridade do coração.
Porém, nos dias anteriores tive a graça de encontrar com a Cáritas Diocesana alguns jovens e famílias, que aceitaram acolher o dom da generosidade e da coragem criativa da Igreja nas Unidades Pastorais: Senhora das Graças, Senhora da Visitação, Senhora do Caminho e de S. José.
O Natal com a Páscoa é o encontro da Luz e das luzes, mesmo sendo noite! Jesus Cristo é a Luz da Luz e o Sol sem entardecer, «a verdadeira luz» (oração coleta). A luz de Cristo plasmada nas luzes destes dias possa iluminar, colorir e aquecer a nossa vida, mesmo sendo noite. A noite da pandemia que atravessamos seja Páscoa para um novo tempo de paz, justiça, amor, liberdade, fraternidade e amizade social. A Tua Luz, Senhor, resplandeça na nossa noite e nos conceda dias de paz, porque em Ti está a fonte da vida: na Tua Luz veremos a Luz (Sl 35,10)!

2.     A lógica do DOM
O Evangelho do Mistério mais luminoso que o sol, mesmo sendo noite, mostra aos pobres pastores a preferência da Glória de Deus pelas periferias existenciais em demanda da Justiça e da Paz. Contra o medo, o Anjo do Senhor proclama: «Não temais, porque vos anuncio uma grande alegria para todo o povo: nasceu-vos hoje um Salvador, que é Cristo Senhor». A lógica do Dom antepõe-se a qualquer lógica do mérito.
Deus continua a escolher a periferia das periferias, para que ninguém se sinta excluído do seu abraço e faz-se homem, amando-nos com um coração de carne.
O Natal reanima em nós a inteligência de compreender o rosto de Deus e de O ver nos rostos sofredores de tantas famílias, em muitos desempregados, nos pobres, nos doentes, nos migrantes, nos presos, nas vítimas da violência doméstica, nos mais solitários, nas pessoas mais velhas e no ‘sacramento’ dos pobres. Eles são a manifestação das feridas de Deus e da sua fragilidade, mostram a necessidade de tecermos as relações gratuitas, solidárias e de boa vizinhança.
Rezo, vejo, escuto e aproximo-me diariamente de alguns irmãos e irmãs assim, especialmente nestes tempos desafiantes e tão exigentes? Tenho algum gesto de proximidade neste Natal do Senhor?

3.     A constante surpresa de Deus
É deveras significativa a mensagem de Natal da Conferência Episcopal Portuguesa ao afirmar: «Perante tão intensa página de beleza, que Deus sonhou e escreveu no Presépio de Belém, e escreve e sonha Hoje aqui também, compete-nos “sonhar para a frente”, um sonho diurno, proactivo, que traz à tona ideias ou ideais que não pedem tanto interpretação, mas sobretudo elaboração! Fica então aberto o laboratório do Natal. O laboratório das vacinas, mas sobretudo o laboratório da nossa vida, do Amor, da Paz e da Alegria, pois é necessário produzir esperança e encanto neste tempo de pandemia e de tristeza, de indiferença e de aspereza, com datas, mas sem estações, com meios, mas sem canções. É necessário embalar as crianças e os velhinhos, os que trabalham, os que sofrem e os que morrem. Há tanta gente ao abandono. Mas este é o tempo de contemplar o Presépio, de viver com alegria a estação do Natal, e de acolher a surpresa de Deus, que em missão nos visita com a riqueza da pobreza (2 Coríntios 8,9). Vem, Senhor Jesus! O mundo precisa tanto da tua Luz!»
Hoje é mais uma ocasião para uma Igreja serva, que educa, celebra e festeja!
Santo Natal 2020 com Maria Mãe da Igreja e José com um coração de pai!
Abraço fraterno e próximo

+ José Manuel Cordeiro

 

Fotografia: Manuel Rodrigues.