Homilia da Bênção dos Finalistas do IPB - 27.04.2019 | Diocese Bragança-Miranda

Catedral, 27.4.2019

 

1. Artesãos da Paz

Por três vezes ouvimos no Evangelho de hoje a saudação pascal de Cristo: «A Paz esteja convosco». Shalom! A Paz é Cristo vivo e ressuscitado. A paz afasta todos os medos e abre-nos à Esperança! Ter dúvidas, como Tomé, é caminho inteligente para a busca permanente da verdade que nos liberta!

Como S. Francisco De Assis, um jovem corajoso na Esperança, na Misericórdia e na Paz, podemos também rezar e desafiar o nosso próprio coração:

Senhor, fazei de mim um instrumento da vossa paz.

Onde houver ódio, que eu leve o amor.

Onde houver ofensa, que eu leve o perdão.

Onde houver discórdia, que eu leve a união.

Onde houver dúvidas, que eu leve a fé.

Onde houver erro, que eu leve a verdade.

Onde houver desespero, que eu leve a esperança.

Onde houver tristeza, que eu leve a alegria.

Onde houver trevas, que eu leve a luz.

Ó Mestre, fazei que eu procure mais:

consolar, que ser consolado;

compreender, que ser compreendido;

amar, que ser amado.

Pois é dando que se recebe.

É perdoando que se é perdoado.

E é morrendo que se vive para a vida eterna.

 

2. Cristo vive e quer-te vivo

A todos e a cada um dos finalistas e a todos os alunos do Instituto Politécnico de Bragança (IPB), gostariamos de acentuar as palavras do Papa Francisco: «Queridos jovens, ficarei feliz vendo-vos correr mais rápido do que os lentos e temerosos. Correi “atraídos por esse Rosto tão amado, que adoramos na Sagrada Eucaristia e que reconhecemos na carne do irmão sofredor. Que o Espírito Santo vos empurre nesta corrida para a frente. A Igreja precisa do vosso entusiasmo, das vossas intuições, da vossa fé. Fazeis-nos falta! E quando chegardes onde nós ainda não chegámos, tende paciência para esperar por nós”» (CV 299).

Caros amigos e amigas: «Cristo, nossa esperança, está vivo e é a mais formosa juventude deste mundo. Tudo aquilo que Ele toca torna-se jovem, faz-se novo, enche-se de vida. Então, as primeiras palavras que quero dirigir a cada um dos jovens cristãos são: Ele vive e quer-te vivo» (Francisco, CV 1) Deus ama-te; Cristo salva-te; Ele vive! (cf. CV 112-129).

«A Igreja deseja que a sociedade que vós ides construir respeite a dignidade, a liberdade, o direito das pessoas: e essas pessoas sois vós» (Concílio Vaticano II. Mensagem aos Jovens).

 

3. Os Jovens e o Bem Comum

O Bem comum, isto é, o bem de todos e de cada um, «compreende o conjunto das condições de vida social que permitem aos indivíduos, famílias e grupos alcançar mais plena e facilmente a própria perfeição» (Gaudium et Spes 74).

A comunidade política existe para isto. A comunidade académica existe para isto. Nas últimas décadas, para o Nordeste Transmontano, especialmente para a cidade de Bragança, o IPB, juntamente com algumas empresas, são um lugar de esperança. A nossa região de interior profundo, padece do envelhecimento populacional e da baixa natalidade e o seu correspondente despovoamento e abandono do território.

Que fazer para inverter esta situação? A comunidade política de Portugal e a local, a comunidade académica e social têm dado o seu contributo positivo para o desenvolvimento integral? Para a coesão social e territorial?

Não basta constatar, é necessário e urgente agir e dar memória ao futuro!

Os jovens não podem ficar na varanda ou à janela a olhar para a vida que passa na rua. O Papa Francisco tem repetido que os jovens não podem viver sentados num sofá ou nas bancadas. Todavia, se os jovens nos fazem falta, há que dar as oportunidades capazes de se fixarem neste território encantador, continuando a perseguir o fito do acesso ao trabalho, combatendo o despovoamento e as desigualdades sociais.

A vossa qualificação académica, técnica e profissional abre horizontes de empreendedorismo, de iniciativa empresarial, de criatividade e de grande coragem em Bragança, em Portugal ou nesta terra global. Rezamos convosco para que haja maior dedicação dos poderes públicos nas políticas geradoras de emprego.

            Caros finalistas do IPB de vários lugares da lusofonia e do mundo, vós recolheis a chama das mãos dos mais velhos (vossos pais e família, professores e comunidade académica e social de Bragança) e vivereis na globalização, «na hora das mais gigantescas transformações» desta profunda mudança de época. Sede protagonistas de uma nova humanidade!

            Aqui na Catedral, costumamos ouvir-vos cantar: “Amigos para sempre”. Nunca esqueçais o encontro da amizade com Jesus Cristo e que esta bênção é a Luz que ilumina o vosso futuro, Jesus Cristo o Dom dos dons – A Esperança pascal.

 

+ José Manuel Cordeiro