Homilia da Solenidade de Santa Maria Mãe de Deus | «Senhora Mãe da Esperança» | Diocese Bragança-Miranda

Senhora Mãe da Esperança

Solenidade de Santa Maria Mãe de Deus, Concatedral, 1 de janeiro de 2021

 

1. Senhora Mãe de Deus e da Igreja

Na conclusão da oitava do Natal sabe bem cantar com regozijo a Senhora Mãe, a Santa Maria Maior: «Ó Virgem gloriosa, Mãe de Deus, ó filha predileta do Altíssimo, habitou em teu seio virginal Aquele que o mundo todo não contém, ó Virgem, que à luz deste a luz do mundo, Senhora, Mãe de Cristo e nossa Mãe!» (Hino da Liturgia das Horas).

Hoje, a narrativa do Evangelho refere a reação de Maria ao ver a adoração dos pastores ao Menino Jesus, acentuando: «Maria conservava todos estes acontecimentos, meditando-os em seu coração». O coração guarda a memória agradecida que faz a grande transformação da história. Guardar no coração, é meditar com ternura. O Mistério contempla-se no silêncio crente e orante.

O primeiro dia do novo ano educa-nos a celebrar e a festejar com esperança a Mãe de Deus e nossa Senhora com o amor de S. José. E, brota espontâneo da nossa alma o desejo enorme de um feliz, abençoado e favorável ano 2021.

 

2. A gramática do cuidado integral

O Papa Francisco, na sua mensagem para este 54º dia mundial da Paz, desperta-nos para «a cultura do cuidado como percurso de Paz». Ao constatar que «o ano de 2020 ficou marcado pela grande crise sanitária da Covid-19, que se transformou num fenómeno plurissectorial e global, agravando fortemente outras crises inter-relacionadas como a climática, alimentar, económica e migratória, e provocando grandes sofrimentos e incómodos», indica «a cultura do cuidado para erradicar a cultura da indiferença, do descarte e do conflito, que hoje muitas vezes parece prevalecer».

Para a gramática do cuidado, ou seja, para a promoção da cultura do cuidado requer-se um processo educativo integral e a bússola dos princípios basilares da doutrina social da Igreja: na família, núcleo natural e fundamental da sociedade; na casa; na escola e na universidade; na comunicação social (hoje o nosso jornal diocesano Mensageiro de Bragança completa 81 anos); nas religiões; na própria Igreja servidora da humanidade.

Com efeito, «a educação constitui um dos pilares de sociedades mais justas e solidárias». Não há Paz sem a cultura do cuidado integral.

 

3. Planalto de Silêncio

Neste Tempo do Advento-Natal aconteceu a tão esperada abertura da hospedaria ou casa de acolhimento, onde já vive transitoriamente a comunidade monástica do Mosteiro de Palaçoulo, em projeto de construção. Sim, ide experimentar o silêncio orante na hospitalidade do Mosteiro de Santa Maria, Mãe da Igreja, em Palaçoulo, uma nova fundação do Mosteiro de Vitorchiano em Itália. Rezar e estar naquele lugar sagrado é como aproximar-se de uma fonte límpida em território deserto.

As dez Monjas trapistas fundadoras transmitem a Esperança alegre e contagiante de quem é autenticamente feliz. Deus lhes conceda os seus dons e novas vocações portuguesas.

Todos os dias, cada ação litúrgica celebra-se com sóbria beleza e nobre simplicidade. O dia é ritmado pelas sete orações litúrgicas: Vigílias, Laudes, Eucaristia com Tércia, Sexta, Noa, Vésperas e Completas. O trabalho e o estudo completam o dia em livre pobreza e alegre simplicidade, de harmonia à insígnia beneditina: ora et lege et labora.

Em Portugal, depois da extinção das ordens religiosas em 1834, os Cistercienses não restauraram nenhum mosteiro. Damos graças a Deus, por nascer no Planalto Mirandês, um Mosteiro Trapista, da Ordem Cisterciense da Estrita Observância.

A Divina Generosidade dá, aqui e agora a Portugal, como referiu o Papa Francisco na audiência que concedeu às “corajosas” Monjas fundadoras antes de partirem para esta sublime Missão, o dom da Graça de uma nova comunidade monástica, como uma ‘aldeia para Deus’. Bendigamos o Senhor por tamanha Graça.

Os horizontes da espiritualidade e da cultura do cuidado integral alargam-se assim no Arciprestado de Miranda com os Pastores, as Consagradas e todo o Povo Santo de Deus.

 É tempo de cuidar com a Senhora Mãe da Esperança e com São José, para que «Cristo habite pela fé em vossos corações» (Ef 3,17). Ele é a nossa Paz!

+ José Cordeiro

«-Olá, bom dia! – disse o principezinho. – Olá, bom dia! – disse o vendedor. Era um vendedor de comprimidos para tirar a sede. Toma-se um por semana e deixa-se de ter necessidade de beber. – Porque é que andas a vender isso? – perguntou o principezinho. – Porque é uma grande economia de tempo – respondeu o vendedor. – Os cálculos foram feitos por peritos. Poupam-se cinquenta e três minutos por semana. – E o que é que se faz com esses cinquenta e três minutos? – Faz-se o que se quiser… “eu, pensou o principezinho, “eu cá se tivesse cinquenta e três minutos para gastar, punha-me era a andar muito de mansinho à procura de uma fonte…». (A. SAINT-EXUPÉRY, O principezinho, XXIII).